Entrevista: Artista Pop Luna Aura

17 de Agosto de 2015

artista pop indie de 21 anos de idade Luna Aura começou a lançar singles e um EP de estreia através do TuneCore no ano passado, e já deu alguns passos significativos na sua jornada musical. Sua música foi captada pela MTV, VH1 e, mais recentemente, por uma rede de cafeterias pouco conhecida chamada STARBUCKS.

Além de compartilhar o palco com artistas como Aloe Blacc, K. Flay, The Ting Tings, Steve Aoki e Avid Dancer, Luna Aura também teve a sorte de conseguir um spot artístico do BMI Indie e a capa de julho da revista Entertainer Magazine. O seu último EP, Supernova...foi capturada para uma estreia exclusiva no TEEN.com. Esta rapariga está a fazer um dos electro-pops mais atraentes que já ouvimos durante todo o verão, por isso, naturalmente, saltamos para a oportunidade de conversar. Leia mais sobre as influências da Phoenix-native, composições e planos para 2015 após o salto.

Começaste a escrever e a cantar quando eras jovem. Conte-nos como você sabia que queria fazer música e que tipo de incentivo você recebeu.

Luna Aura: Eu tenho cantado praticamente toda a minha vida. A música era constantemente tocada em casa, no carro, na igreja, e quando meu irmão mais velho e eu demonstrávamos interesse por ela quando crianças, meus pais eram muito rápidos para nos apoiar. Comecei a escrever músicas aos 10 anos, ensinei violão aos 14, e comecei a tocar seriamente na minha cidade natal aos 15 anos de idade. Claro que, no ensino médio, as pessoas começam a perguntar o que você realmente quer fazer com a sua vida. Ser intérprete e músico não é exatamente prático, mas naquele momento era tudo o que eu sabia. Eu me levei a sério como músico desde muito jovem. Era a minha identidade, e ainda não sei quem seria sem ela.

A sua música é uma mistura cativante de pop e electrónica, e até mesmo de hip hop. Quem são algumas das suas influências mais fortes de cada gênero respectivo?

Aghhhhh. Isso é tão difícil de responder! Ouço tantos tipos de música, e os meus pais abriram-me a porta em tão tenra idade para todos os tipos de música diferentes, por isso estou realmente a puxar de cada pedacinho de tudo o que ouvi inconscientemente quando escrevo a minha música. Mas tenho as minhas favoritas em todos os géneros. Eu cresci ouvindo Toni Braxton, Aaliyah, Sheryl Crow, No Doubt, Norah Jones, Paramore, Katy Perry. Eu me sinto como se sempre tivesse sido atraída por potências femininas quando jovem, e parte de mim ainda está lutando para fazer parte desse esquadrão, por assim dizer.

Como uma jovem artista feminina, que tipos de mensagens você espera transmitir em sua letra?

Nunca mais quero ser vista como apenas mais uma jovem e bonita rapariga. É meio engraçado dizer quando há tanta gente neste mundo que mataria para ser isso, mas não é quem eu sou. Sempre que saio de casa, estou a representar quem sou em tudo o que faço. Como eu ando, como falo, como me visto. Toda a minha vida tenho sido barulhenta e estranha, e tenho-me sentido diferente. Como uma menina, você é ensinada a falar docemente, a ficar na fila, a ser exatamente a menina que o mundo espera que você seja. Como mulher, é-te dito para seres sexy, bem versada e, idealmente, perfeita. Eu nunca fui assim, e sei que há muitas pessoas que entendem exactamente o que estou a dizer. Já não tenho medo de ser barulhenta, não tenho medo de ser estranha, e não tenho medo de ser diferente, mesmo como uma mulher adulta. Sinto que há artistas femininas por aí que não querem ser modelos, mas eu quero. Quero que os meus jovens fãs ouçam a minha música e sintam que são capazes de ser quem quiserem ser, e não o que o mundo lhes diz para serem.

Você conseguiu uma grande publicidade para um artista independente mais novo! Como você tem usado esse impulso para impulsionar sua carreira e se conectar com novos fãs?

É sempre incrível conseguir qualquer tipo de publicidade, especialmente com o tempo que estou a fazer isto. É uma palmadinha nas costas por todo o trabalho duro que a minha equipa e eu temos feito nisto. Quando as pessoas realmente arriscam em você e sua música, todos podem vê-la e isso faz diferença. Isso traz mais pessoas para este mundo que nós criamos, e elas são definitivamente bem-vindas. Sempre que alguém tweets, compartilha minha música, tem algo a dizer sobre mim online, eu sempre envio uma mensagem de volta. É tão importante para mim conectar-me com as pessoas a nível pessoal, que não quero que elas se sintam apenas fãs. Estas pessoas apoiam cada pequena coisa que faço, são muito mais importantes para mim do que isso.

Que tipo de papel o TuneCore tem desempenhado na sua jornada musical até agora?

O TuneCore é a razão pela qual todos podem acessar minha música em qualquer lugar online. Como artista independente, isso é ENORME. O TuneCore me dá a oportunidade de compartilhar minha música com o mundo, e isso honestamente não tem preço.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=GXkK0iEx-pg]

Como se sente ao saber que sua música será apresentada/ tocada em uma das maiores franquias de café dos Estados Unidos?

Sinceramente, nem consigo acreditar que está mesmo a acontecer. Só de saber que é a nível nacional é incrivelmente humilhante. Pessoas de lugares onde eu nunca estive ouvirão o que eu criei. É definitivamente diferente do que eu estou acostumado, e estou realmente animado para ver o que vem disso.

Quais são alguns dos seus objectivos para o resto de 2015? Conte-nos um pouco mais sobre os seus planos para o Tour da Epopeia das Proporções.

Neste momento, estamos a preparar-nos para a minha festa de lançamento do PE no dia 29 de Agosto em Phoenix. Estou super entusiasmado com este programa especificamente, porque cada pequeno detalhe do programa é da minha própria cabeça. A iluminação, os fatos, tudo. É um line-up incrível, e estamos trabalhando muito para fazer deste o melhor show possível.

Quanto ao passeio épico, será o meu primeiro passeio oficial. Estou tão entusiasmada, e tão feliz por estar tocando ao lado de atos tão legais. É uma turnê de colegial e faculdade em cima de tudo, o que a torna ainda melhor. Estaremos chegando a alguns mercados enormes, e eu mal posso esperar para sair por aí, fazer novos amigos, e adicionar novas experiências à minha vida.

Etiquetas: em destaque: indie entrevista luna aura tunecore